terça-feira, 7 de abril de 2009

Alimentação I-tal

A alimentação I-Tal e os princípios de uma vida saudável

É importante haver um equilíbrio entre a ingestão dos alimentos que estão abaixo da superfície (interiores) e aqueles que estão acima (exteriores). Os alimentos interiores possuem energias mais densas, já os exteriores recebem diretamente o processo da fotossíntese. O fogo começou a ser utilizado no início para o cozimento das carnes e não dos outros alimentos. Não devemos utilizar óleos ou frituras. O máximo contato com os processos naturais e o mínimo com os industriais é o mais indicado. Os sistemas industriais são sempre perniciosos por estarem condicionados à confecção padronizada, quando cada alimento é um ser vivo diferente e possui seu próprio íntimo, devendo ser preparado em tempos e formas diversos. Todos os enlatados e embutidos ou defumados precisam ser totalmente eliminados. Ainda ressaltar a vantagem dos chás, pois são mergulhados na água e ao ingerí-los, estamos ingerindo a essência das ervas, benéficas para o organismo. Também para os chás, deverá ser evitada a cocção. Após o levantamento da fervura, deve desligar o fogo e só mergulhar as ervas, deixando em repouso por algum tempo. Ao permanecer tampado o recipiente, evita-se que se eterize a parte relativa à alma ou aspecto sutil das ervas. Elas possuem uma volatilização muito rápida, por isso o recipiente deve permanecer totalmente tampado, enquanto o chá está em repouso. Também gostaria de mencionar os condimentos, que devem ser abolidos, principalmente o açúcar. Vocês devem trabalhar para conseguir a eliminação gradual e parcial do sal, que não precisa ser industrializado. Quando tiverem dúvidas, procurem os alimentos que não foram processados por máquinas, esses conservam ainda a chama divina com eles. O leite não deve ser consumido de forma sistemática pelo adulto.



E o café, que tanto delicia seus paladares, é altamente prejudicial para a energia local. Temos os alimentos energéticos considerados de cor vermelha como o mel e as ervas poderosas e os energéticos sutis como as verduras verde-escuras (espinafre, brócolis, agrião, couve) o amarelo das frutas cítricas (limão, laranja ácida, abacaxi e maracujá). Como sabem, todos os alimentos integrais que ainda conservam a seiva da natureza presentes em si são excelentes. Os alimentos altamente industrializados perderam, há muito, a sua seiva vital. Na verdade, conservam a aparência, mas, internamente, já estão nos estertores de sua força vital, quase inexistente. Vocês estariam, assim, ingerindo apenas pequenas cascas ou cadáveres etéreos, que de nada servem para seus órgãos.



Cada Eu deve sentir e conhecer suas necessidades orgânicas, pois tais carências se manifestam por meio dos desejos. Deve-se dar vazão a esses desejos naturais, evitando-se os excessos e os condicionamentos dos hábitos alimentares. O correto é comer sempre devagar, saboreando, mastigando, triturando e salivando muito bem os alimentos. A boa digestão e a incorporação de substâncias nutritivas começam na ensalivação, com a ação das enzimas salivares, e na boa mastigação, pois, afinal, cada órgão tem sua função, e o estômago não tem dentes. Os nutrientes básicos ao organismo são oxigênio, a água, as vitaminas, os sais minerais, os carboidratos (açúcares), os lipídios (gorduras) e as proteínas.

O excesso de açúcar deve ser evitado para que seu excedente não se transforme em gordura, descalcifique os ossos ou ataque a dentina, ocasionando as cáries. Se possível, use mel, melado ou açúcar mascavo


A água é o solvente universal de muitos nutrientes, hidrata o organismo, regula a temperatura corporal, auxilia a circulação e tem ação desintoxicante eliminadora.

O café em excesso é prejudicial, podendo causar constipação intestinal, dor de cabeça, excitação nervosa, insônia e irritabilidade. Tente fazer sua substituição de forma progressiva por cevada, que é calmante e diurética e facilita a digestão.


Os condimentos auxiliam a digestão. Alecrim, alho, cebola, cebolinha, cravo, gengibre, limão, losna, manjericão, manjerona, raiz-forte, salsa (sempre), sálvia e tomilho dão ótimo sabor à comida, mas não devem ser usados em excesso.

É recomendável comer seis diferentes tipos de vegetais (legumes e verduras), de preferência crus, antes de cada refeição principal. Sirva os vegetais à temperatura ambiente. Em teor vitamínico e mineral, destacam-se agrião, alcachofra, alface, alfafa, aspargo, batata doce, beterraba, brócolis, cará, cenoura, couve, couve-flor, espinafre, inhame, mandioquinha, nabo, palmito, rabanete, repolho e vagem.



Com relação às frutas, o ideal é ingeri-las cruas ou sob a forma de sucos, preparados na hora, sem açúcar e sem gelo, para evitar o choque térmico no processo digestivo. Consuma suco três ou quatro vezes ao dia: no desjejum, pela manhã, a tarde e à noite. Utilize sempre as frutas de temporada amadurecidas naturalmente pela energia da luz solar. Crie o hábito de comer frutas digestivas na sobremesa das refeições principais, como abacaxi, laranja, mamão, maracujá ou morango. Em geral, as frutas contêm 50% a 90% de água - além, é claro, de outros nutrientes. As frutas de maior valor nutritivo são ameixa, banana, figo, laranja, maçã, mamão e uva. Frutas e hortaliças completam-se na alimentação equilibrada.

Os vegetais encerram a energia da água, do ar, do sol e da terra, e são, por isso, alimentos mais energéticos e nutritivos. As proteínas, formadas por "tijolinhos" chamados aminoácidos, têm função construtora, formativa de todos os tecidos orgânicos. Elas são, portanto, consideradas os "tijolos da vida". A deficiência das proteínas gera subnutrição, desnutrição, queda das defesas orgânicas, deformidades ortopédicas, etc. A qualidade, a quantidade e a potencialidade nutritiva das proteínas fabricadas pelo organismo dependem da ingestão de proteínas essenciais cujas principais fontes são: peixes, amendoim, aveia, cevada, ervilha, farelo de trigo, gema de ovo, gergelim, germe do trigo, grão-de-bico, lentilha, lêvedo de cerveja, nozes, soja, tremoço, leite.

Evite as carnes. Os que apreciam carne devem dar preferência às brancas: em primeiro lugar a de peixes; depois, as de aves (criadas soltas). As carnes vermelhas contêm aditivos e tóxicos, como antibióticos, corantes, conservantes, hormônios femininos, vacinas e outros produtos químicos empregados desde a criação até o abate do gado. As vísceras (fígado, rins etc...) são as partes mais contaminadas. Não sendo possível abster-se delas, coma-as somente uma vez por semana, dando preferência à carne magra de gado, acompanhada de agrião ou de salsa, para desintoxicar.



Os ovos podem ser consumidos duas vezes por semana. Os ovos "galados" ou "fertilizados" são mais vitalizantes e mais ricos em nutrientes do que os ovos de granja, que começam a se decompor 48 horas após a postura.

As gorduras ou lipídios (abacate, bacalhau, gema de ovo, gorduras animais, leite, manteiga, nata, óleos, oleaginosas, pele de frango, queijos, sardinhas, vísceras, etc.) têm função de reserva energética, de absorção de vitaminas lipossolúveis, de manutenção térmica, de sustentação de órgãos. Em excesso, os lipídios podem dar origem a arteriosclerose, angina, derrame, hipertensão, infarte. O melhor período para a ingestão de alimentos ricos em gorduras é o da manhã, até o horário do almoço. Deve-se dar preferencia às gorduras vegetais. A lecitina, farelo de trigo e os óleos de girassol, de milho e de oliva combatem a arteriosclerose e o colesterol e têm ação antilipídica. Vale lembrar que, em frituras, o óleo não deve ser utilizado mais de uma vez sob o risco de tornar-se tóxica.



O café, considerado pelos árabes como beberagem digestiva e despertadora, nada mais é do que um afrodisíaco. O modo de preparo do café, com sua torrefação preliminar, indica que o que vocês ingerem nada mais é do que as supostas cinzas ou carvões da pequena planta rubiácea. Ela traria melhores benefícios se mastigada crua; porém, da forma como é consumida, altamente queimada e em temperatura elevada, amortece por breves segundos toda a organização bucal, compreendendo a língua e o palato. O choque provocado pela alta temperatura e pelo gosto semi-acre torna todos os fusíveis inoperantes por milionésimos de segundos. Com a ingestão diária e freqüente, apesar do aparente bem-estar, o ser em declínio (a planta do café) ocasiona com isso pequenas interrupções elétricas, provocando interferências.



Vermelho - É a cor que se relaciona com o mundo físico, com o poder, a vitalidade, a sensação de estar presente no "aqui e agora". É indicada para estimular as pessoas que se sentem deprimidas e distanciadas do momento presente, trazer para a realidade o sonhador. Nas pessoas saudáveis, tem efeito vitalizante e estimulante.

Amarelo - É a cor da integridade, que levanta a nossa auto-estima quando nos afastamos da nossa verdadeira natureza e, preocupados em satisfazer as expectativas dos outros, distanciamo-nos da auto-realização. Estimula os nervos, as funções do cérebro e o intelecto. Auxilia o combate à depressão, à melancolia e ao cansaço mental. Atua muito bem na limpeza de energias negativas, assim como nas desordens no aparelho digestivo.

Verde - É a cor pacífica dos campos da Etiópia, e com a tranqüilidade que emite, permite-nos analisar as situações a nossa volta. Alivia as tensões e proporciona relaxamento.
Tradução: Ras Douglas

3 comentários:

Anônimo,  2 de junho de 2013 22:32  

parabénS pelo texto !!!

Gutto 7 de janeiro de 2016 01:54  

Muito bom texto... Clareou umas idéias... Parabéns... Valew

Postar um comentário

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO  

Real Time Web Analytics